quinta-feira, 12 de março de 2015

NOSSO CENÁRIO: O BURACO É MAIS FUNDO DO QUE SE IMAGINA

Por: Robert Rock



” Tudo aqui dito, é baseado em um grande texto de “Ari Herstand”, um texto bem atual e vai ser por um bom tempo.



Cenário:

    Tem sido muito negativa a reação do público no cenário sergipano no que se refere à shows, eventos, apoio a bandas,  o assunto “Queremos espaço para bandas autorais”, “Temos que apoiar nosso cenário, nada de bandas covers”, nada disso é colocado em prática, nada disso é real, tudo blá blá blá..., por parte de algumas pessoas que se dizem entendidos de algo.
   “Falar mal de outras bandas da sua cena não macula a reputação delas. Estraga a sua. Agir desinteressadamente de braços cruzados nos fundos da plateia durante as apresentações de outras bandas não lhe confere uma aura de bacana. Cantar junto na frente do palco sim.
Não acredito que esses pensamentos mudem fácil, Ao invés de negar a realidade, o cenário do metal deveria trabalhar com esse problema e mudar o espírito doente. O problema acontece quando agressões, frustrações ou ser negativo se tornam um “ideal”. “As panelinhas”, “grupinhos”, acabam com um sonho, com uma ideia que tudo pode dar certo nesse cenário .
   O cenário sergipano esta entrando em um buraco bem maior, ir ao um evento(show), aqui é horrível, vergonhoso! Se a banda ou o produtor do evento n faz parte de seu grupo de amigos, esse evento n vai prestar, esse é o real pensamento de uma boa parte dos que curtem o som pesado no nosso estado.
Os guardiões da sua cena são amigos uns dos outros. Seja amigo de um e você será amigo de todos. Pise na bola com um e prepare-se para entrar na lista negra, simples assim.




Bandas:


Vocês precisam de valores sólidos de trabalho. Materiais físicos de divulgação ainda são incrivelmente importantes. Saia pro mundo e pendure pôsteres e distribua panfletos. Não passe o tempo todo na rede social. É importante, sim, 
mas não é tudo.  Se todo seu plano de divulgação se baseia nela, você está condenado. Você precisa conquistar sua cidade antes de cair na estrada.
Não saia em turnê a menos que você saiba como vai atrair o público para todos os shows. Tocar em todo canto da cidade o tempo todo enfraquece seu poder de captação de público. Faça shows mais espaçados entre um e o outro de modo que você possa promover um grande show a cada 6-8 semanas. CONTUDO, quando você está bem no começo, você precisa tocar em todo canto e em qualquer canto o tempo todo para ganhar experiência de palco. Grave todos os shows. Uma vez que você amar ouvir a seu set gravado [e pessoas que não sejam da sua família ou amigos digam a você que amam sua banda] daí você pode marcar shows de verdade e cobrar couvert. Ninguém na indústria fonográfica quer saber se sua música é boa. Eles lhe dão atenção pelo fato de você ter sido bem-sucedido por seus próprios méritos. Faça um esforço para ajudar outros na sua cena. Isso vai lhe dar retorno no futuro.


Imprensa underground:

A cena underground não é feita só por bandas. Fotógrafos, Designers, Ilustradores, Produtores, Sites e Zines, profissionais ou não, também trabalham para manter a cena viva e divulgar as bandas e os eventos.
A imprensa underground, não esta tendo o respeito e o apoio que deveria.
Então, produtores e organizadores de eventos no cenário heavy rock, valorize esses trabalhos e divulgue-os, sempre! Respeite esses trabalhos e que a cada ano o cenário underground ou não, cresça cada vez mais com o apoio de todos, sempre!

Finitude: Continuando com as novidades para 2015




Por: Robert Rock

A banda Finitude, apresenta o segundo Web Clip de uma pequena série produzida pela banda.

A faixa escolhida foi "Finitude", homônima, do álbum "Dissensio Homines Pt.1", lançado em 2013, que mistura diversas influências e ritmos regionais sem descaracterizar o som da banda. Um vídeo íntimo, com foco no desempenho e apresentação desta música representativa.



Vale a pena conferir.







Divulgação: Luiz Gustavo -  https://www.facebook.com/luiz.gustavo.395891?fref=hovercard